sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Fazendo as Malas - Foz do Iguaçu Parte 3

Confira a parte 1 e parte 2!

Como sempre, nosso dia começou cedo. Café da manhã reforçado e lá vamos nós para o ponto de ônibus! Mesmo sendo sábado, o ônibus não demorou muito a passar e logo estávamos saltando em frente ao Parque das Aves! Ele abre antes das Cataratas (08h30) e o ingresso custa R$20 para brasileiros (estudantes pagam meia).

Com o calor que fazia, eu invejei muito esse laguinho!

Numa perna só!
Admito que eu sou suspeita para falar de qualquer lugar que tenha animais, mas eu realmente adorei! O local é extremamente bem cuidado e os animais me parecem muito bem acomodados. Pelo que eu li, a grande maioria (mais de 90%) dos animais foram resgatados (de maus tratos ou do tráfico) ou nasceram no próprio parque. 

Não parecem elfos?
Todas as jaulas são grandes e ainda tem a parte mais legal: os viveiros! Neles os animais ficam soltos, enquanto os visitantes vão passando. A maioria das aves é meio acanhada, mas os tucanos adoram a presença humana, aparentemente!

É um desenho animado!

Esse adorava carinho na cabeça!
De frente eles não são tão bonitos, né?
 Eles eram as únicas aves que vinham para perto e tinha um que até gostava de receber carinho (e outro que gostava mesmo era de bicar todo mundo - mas não dói nada!).

Além das aves, o parque também conta com um borboletário muito rico, mas foi nessa hora que nos demos conta de que esquecemos de carregar a bateria da máquina durante a noite! Resultado: só restou recorrer à máquina do celular!

Obviamente, as fotos das borboletas viraram borrões voando, mas algumas até que se salvaram!

Araras namorando!
O passeio termina e você se depara com uma lojinha (é claro) que vende produtos semelhantes aos encontrados nas Cataratas do lado Brasil, mas por um preço um pouco mais salgado. Há também um lanchonete com preços muito honestos. Sanduíches naturais gostosos, salgados bonitos e água por R$2 a garrafa! Pra completar tem picolé geladinho, delicioso e com sabores exóticos da marca Delícias do Cerrado, aproveite para provar!

De lá caminhamos até o Parque das Cataratas, que fica realmente em frente. Próximo à entrada tem algumas barraquinhas que vendem 3 garrafinhas de água por R$5. Vale a pena comprar, pois lá dentro cada uma custa R$4. Aproveitamos também para comprar chapéus, já que estava MUITO sol. Foi um ótimo investimento!

Compramos nossos ingressos (R$29,20 cada um para adultos brasileiros) e pegamos o ônibus (enquanto do lado argentino temos um trenzinho velho, no lado brasileiro temos modernos ônibus paranômicos com ar condicionado no andar de baixo). Descemos somente no ponto da Trilha das Cataratas, que é o último e mais famoso. Praticamente todos (se não todos) os outros passeios do lado brasileiro são pagos à parte e feitos com o Macuco Safari por preços bem altos.

Começamos a aventura e a vista é deslumbrante!

E pensar que no dia anterior nós estávamos em um daqueles barcos!
A cada passo que você dá, mais perto vai ficando da magnitude das quedas d'água. A trilha é linda durante todo o seu percurso e é incrível ouvir tantas línguas diferentes maravilhadas com as imagens.

Tudo fica ainda melhor quando você finalmente alcança as passarelas que te levam até bem pertinho da água: o calor é refrescado pela 'chuva' e os seus olhos parecem não acreditar no que veem. Aproveitamos para puxar as últimas energias da bateria da câmera e tentar fazer uma fotos mais bonitas do cenário.



A máquina focou nas gotinhas e serviu para provar que molha mesmo!
Depois de aproveitar bastante o 'banho', é hora de subir tudo aquilo que havíamos descido, mas agora vem a surpresa boa: nada de escadas ou rampas! Tem um elevador panorâmico nos esperando!!!!

Quando chegamos lá em cima a vista é tão-tão-tão espetacular que nem dá para acreditar!

Panorâmica feita com o celular, acreditam?

Tão pertinho!
Claro que nessa parte do parque nós temos direito a lojinha e lanchonete, né? E os famosos quatis, que não são nem um pouco bobos, ficam esperando os turistas nas mesinhas. São muitos! Fofíssimos, mas super abusados. Sobem na mesa, mexem na sua bolsa procurando comida e até se apoiam na sua perna se você estiver comendo algo gostoso. Todo mundo sabe, mas é bom relembrar: eles transmitem raiva, ok? Então, antes de sair querendo fazer carinho, tome muito cuidado e pense duas vezes! Isso pode estragar sua viagem. Não que eu ache que um quati vai literalmente te atacar, mas você já deu uma olhada nas unhas deles? Qualquer movimento mais brusco que ele faça e um arranhão na sua perna lhe renderá uma visita ao hospital com direito vacinas e mais vacinas.

São muitos!

Caminhamos até o ponto de ônibus para retornarmos até a entrada. A viagem foi novamente bem tranquila e com temperatura agradável! Nossa visita havia chegado ao fim, infelizmente.

Bem em frente à entrada do parque tem um ponto de ônibus de linha normal, que nós pegamos até o TTU, onde saltamos e pegamos outro até a famosíssima Ponte da Amizade! Ela tem somente 500m e nós resolvemos atravessar a pé mesmo. Muita gente fala sobre ser perigoso, mas, curiosamente, nenhuma dessas pessoas realmente atravessou a ponte a pé... Vá entender, não é mesmo?

Eu achei o trajeto tranquilíssimo (bem mais deserto do que eu imaginava, é verdade) e não fiquei com medo em momento algum. Aliás, a travessia foi o momento mais legal desse passeio!

Novamente, só passamos na aduana por querermos o carimbo mesmo, afinal, não havia ninguém para nos parar. Pegamos um mapa da cidade lá mesmo e começamos a caminhar! É tudo bem sujo (as ruas são imundas, cheias de lixo no chão) e, como já era o final da tarde de um sábado, muitas lojas estavam fechadas.

Diversos vendedores ficam te berrando e tentando empurrar coisas, o que é realmente chato. Um deles começou oferecendo pares de meia a R$0,50 e, com a minha ausência de resposta, chegou a míseros R$0,20!

Entramos em duas espécies de shopping, um deles bem atrás da RF paraguaia, que estava com todas as lojas abertas. Os preços eram sempre em dólares, mas eles aceitavam reais também. Não fiquei com vontade de comprar nada e só voltei com 2 pacotes de ketchups Heinz que estavam em promoção (2 x USD3,00). Como estávamos com sede, também tomamos uma cerveja e uma Coca-Cola Vanilla.

Atravessamos para o Brasil, novamente andando, e pegamos um ônibus até o TTU. Havíamos deixado para o último jantar a melhor refeição: a noite italiana do Bella Távola! O jantar já estava até pago (fizemos a reserva pela internet ainda no Rio) e estávamos babando de fome!

Apesar de nossos trajes suados e molambentos, fomos super bem atendidos no restaurante de um hotel 5 estrelas e comemos demais! O jantar custa R$60 por pessoa e a comida é liberada, com direto a uma das maiores mesas de queijo do Brasil (é muito queijo!!!), rodízio de massas, buffet frio e quente e sobremesas deliciosas!

É um pouco mais caro do que estamos acostumados a gastar com refeições quando viajamos, mas foi demais! Pra melhorar, a bebida não é cara e uma garrafa de um vinho tinto bem aceitável sai por R$30~R$40.

Empanturrados, pedimos um táxi até o hotel (era noite de sábado para domingo e estávamos cansados e com medo de mofarmos no ponto de ônibus) que não deu nem R$15. Desmaiamos na cama e, no dia seguinte, tomamos café e fomos direto pegar o ônibus para o aeroporto. 

Como era Domingo, esperamos um tanto no ponto e, quando ele finalmente chegou, estava LOTADO! Fomos apertados até o final da viagem, mas economizamos uns R$40 por não termos ido de taxi, então compensou. A viagem chegou ao fim e me deixou com a certeza de que tem muito Brasil ainda para eu me apaixonar!